quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Missão de mãe!




"Todavia, será preservada através de sua missão de mãe, se ela permanecer em fé, e amor, e santificação, com bom senso."       
II Timóteo 2: 15

Esse é o último versículo de uma série de versículos em que Paulo fala sobre a conduta das mulheres dentro do contexto da igreja e dos cultos públicos. Paulo adverte que os homens orem em todos os lugares de forma santa, sem ira e sem animosidade... ou seja, não é porque eles tem essa prerrogativa que eles devem fazer isso de forma autoritária e fanática!
Paulo também adverte que as mulheres se vistam de forma decente e com modéstia, e não com vestuário dispendioso cujo único objetivo seria mostrar sua condição financeira, pois isso facilmente classificaria as mulheres em grupos, as mais ricas versus as mais pobres. Paulo adverte que as mulheres se empenhem em mostrar as suas boas obras, isso sim uniria todas em um objetivo comum.
Quanto aos cargos de ensino dentro da igreja Paulo é categórico, "a mulher aprenda em silêncio, com toda a submissão. E não permito que a mulher ensine, nem exerça autoridade de homem"... e aqui a maior parte das mulheres torce o nariz e se revolta!
Ao longo dos últimos séculos as mulheres vem lutando para que suas vozes sejam ouvidas e como consequência dessa luta elas passaram a desprezar por completo a voz masculina. No afã de abrirem espaço para falarem e declararem o que pensam e o que querem, elas resolveram desprezar e diminuir e se possível até extinguir a voz masculina e a sua posição na sociedade e na família.
Isso vai contra o que a Bíblia ensina, as mulheres devem ouvir com apreço e atenção o que os homens tem a ensinar, mesmo porque a eles Deus confiou a tarefa de ensinar na igreja!
Aprender em silêncio e em submissão não desmerece a mulher em nada, e é fato de que a Bíblia não exclui a mulher do culto, ela tinha seu espaço garantido, ela podia frequentar os cultos e podia aprender tanto quanto os homens... ela não precisava abdicar de sua capacidade mental, de forma alguma, ela podia até mesmo questionar, contanto que fosse em casa e ao seu marido.
Lendo o texto a gente pode pensar que não resta nada para as mulheres fazerem, ela não poderiam se exibir nas roupas, não podiam falar e ensinar na igreja, tinham que ter atitude submissa aos homens e ao seu marido, tinham que reconhecer que primeiro Deus criou a Adão e depois a Eva e que foi Eva quem foi iludida e enganada lá no jardim do Éden e que levou toda a humanidade a pecar!
Então Paulo diz:

"Todavia, será preservada através de sua missão de mãe, se ela permanecer em fé, e amor, e santificação, com bom senso."       
II Timóteo 2: 15

A mulher tem sim uma área em que ela tem liberdade de falar e ensinar! Na sua missão de mãe ela tem total liberdade de ensinar e transmitir aos filhos os conceitos mais básicos e primários da fé cristã!
A mulher deve sim aprender tudo o que pode sobre a Bíblia, deve ter uma mente crítica e questionadora, deve exercitar toda a sua capacidade de pensar e argumentar, deve ter firmeza da sua fé, deve ter convicções fortes... de outra forma ela não terá condições de ensinar os seus filhos!
Paulo diz que ela deve permanecer na fé, deve ser amorosa, deve buscar sempre a sua santificação e manter sempre o bom senso... mas mais importante que isso, ela deve fazer isso tudo com o apoio do seu esposo, ela e os seus filhos devem aprender com o seu esposo a servir a Deus, e isso implica diretamente que esse pai de família tenha um ótimo relacionamento com Deus.
É dentro do lar que residem as melhores oportunidades de ensinar, é no recôndito do lar, nas horas de maior aconchego e proximidade que as maiores lições da vida são aprendidas. É a figura da mãe e a sua forma de encarar a vida, a sua visão de mundo, que molda definitivamente a mente e o coração dos filhos!
Se a mãe é o tipo de mulher cujo único objetivo de vida é vestir com roupas da última moda, de buscar competir e se assemelhar com esse ou aquele grupo de mulheres da sociedade, que vive falando e fofocando sobre a vida alheia, que não respeita o seu esposo e o desacata em público, que não tem interesse nenhum em aprender sobre a Bíblia, que só vai a igreja porque é uma tarefa semanal que ela deve cumprir... que exemplo essa mulher está dando para os seus filhos?!
Que nós mulheres saibamos assumir com honra a nossa "missão de mãe", que permaneçamos firmes na fé e que de forma santa e amorosa saibamos transmitir aos nossos filhos o amor a Deus, a alegria de servir ao nosso Deus!!!

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

As parábolas do tesouro escondido e da pérola de grande valor

Eu amo estudar a Bíblia!!!
Amo mergulhar no texto e buscar entender o que Deus quer dizer com aquele texto e o que Ele quer nos ensinar!
Existe sempre aquele desejo de ver algo que eu não tinha visto antes, um detalhe que chama a atenção... a gente está sempre em busca disso!
Mas... isso pode ser muito perigoso! A gente pode correr o risco de "inventar" coisas e dizer além do que o texto está dizendo! Nessas horas é sempre bom recorrer aos estudiosos, a homens de Deus que já estudaram o texto em questão e aprender com eles!
Hoje eu aprendi lições preciosas com Stuart Olyott... que homem abençoado!
O texto em questão é as parábolas de Jesus sobre o tesouro escondido e a pérola de grande valor:

"O reino dos céus é semelhante a um tesouro oculto no campo, o qual certo homem, tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de alegria, vai, vende tudo o que tem e compra aquele campo.
O reino dos céus é semelhante a um que negocia e procura boas pérolas; e, tendo achado uma pérola de grande valor, vende tudo o que possui e a compra."

Ele enumera três lições a partir desse texto:

1. O reino dos céus é uma conquista individual, não tem como fazer parte do reino de forma coletiva. Você precisa encontrar esse tesouro escondido no campo e essa pérola de grande valor, você tem que perceber o valor inestimável, e você tem que estar disposto a se desfazer de tudo o que você achava que era precioso para ter esse tesouro e essa pérola!

2.  Nem todas as conversões são iguais... Há aqueles que encontram o Evangelho por acaso, mas quando encontram reconhecem com grande alegria o valor inestimável desse tesouro! Há outros que são como aquele mercador que está em busca de boas pérolas, e quando encontram o Evangelho é como se finalmente eles encontrassem uma pérola de valor inestimável, a mais perfeita pérola que não se iguala a nenhuma outra!

3. O verdadeiro cristão tem uma marca distintiva, o que de fato define aquele que faz parte do reino dos céus é a convicção de que ele encontrou algo de valor inestimável, que ele se sente satisfeito por ter encontrado esse tesouro e que ele tem mais prazer nesse tesouro do que em qualquer outra coisa!
Essa pessoa nem sequer pensa em tudo o que teve que teve que "deixar pra trás" pra ter esse tesouro, na verdade, se ela precisasse trocar tudo o que tem nessa vida por esse tesouro ela o faria sem titubear! Essas são as marcas do verdadeiro cidadão do reino dos céus!

Preciosas lições que aprendi sobre essas parábolas!

domingo, 13 de novembro de 2016

Filhos da luz!


Hoje de manhã eu estava conversando com as nossas crianças e pré-adolescentes aqui da igreja, é uma mania de vir pra igreja e não trazer Bíblia... então estava "puxando a orelha" da turminha, pra eles lembrarem de trazerem a Bíblia quando virem pra igreja!
Então perguntei se eles tem lido a Bíblia durante a semana... e denovo, aquele silêncio! Umas duas meninas disseram que leram, muito bem pra elas! De vez em quando é preciso dar uma apertada nessa turminha, senão eles não aprendem a ler a Bíblia!
Então falei pra eles que eu queria compartilhar um versículo que li na minha leitura semanal e que me tocou... já que não vale somente cobrar e não mostrar o exemplo!
Li pra eles o texto de Efésios 5: 8-10

"Pois, outrora, éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor; 
andai como filhos da luz
(porque o fruto da luz consiste em toda
bondade, e justiça, e verdade),
provando sempre o que é agradável ao Senhor."

É curioso que explicar um texto bíblico para uma criança ou adolescente exige de nós uma dinâmica diferente, a gente tem que voltar aos princípios básicos e usar uma linguagem bem simplificada... e nesse processo a gente parece ver o texto sob uma nova ótica!
Comecei explicando pra eles o que são trevas, que é a ausência total de luz, e que quando a gente vive sem Cristo vivemos nessa completa escuridão... e quando a gente conhece a Cristo e o aceita como Salvador a gente recebe a luz de Cristo nas nossas vidas, já não vivemos mais na escuridão!
É como se a gente estivesse num quarto totalmente escuro e de repente alguém acende um fósforo, tem como não enxergar a luz do fósforo?! Impossível! Da mesma forma nós, a gente é essa luzinha que se acendeu no meio da escuridão! É impossível a gente não ser notado!
Nós que temos Cristo no coração somos "luz no Senhor", somos "filhos da luz", não temos como esconder isso e nem devemos, a Bíblia nos ensina que devemos andar por esse mundo como um verdadeiro filho da luz!
Bom, mas o que é ser um "filho da luz"?! Como é isso na prática?!
A Bíblia então explica "o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça, e verdade", e então nós conversamos sobre cada um desses itens:
- BONDADE: é aquela pessoa que pratica o bem, que é bondosa, educada, cortez... é aquela pessoa que se destaca por ter sempre uma atitude bondosa, que impacta e faz diferença na vida das pessoas com quem ela convive;
- JUSTIÇA: é aquela pessoa que faz sempre o que é justo, tem prazer em fazer o correto, que não faz mal ao seu próximo;
- VERDADE: é aquela pessoa que preza por dizer a verdade, por viver uma vida correta e transparente, que não tem medo de ser surpreendida porque não vive na mentira.
E então a gente pode pensar assim, "mas é muito difícil viver dessa forma!", e pra isso a gente precisa saber que não somos luz próprias, somos luz no Senhor, Ele é a luz, nós somos somente lampadinhas plugadas Nele! Brilhamos porque estamos Nele! Sem Ele não temos luz!
Por isso é importante lermos sempre a Bíblia e termos comunhão com Ele... senão a nossa luzinha vai se apagando!
Mas o que a gente ganha com tudo isso?! O final do versículo nos diz, "provando sempre o que é agradável ao Senhor". Provar de acordo com o dicionário é comprovar, é atestar a verdade por meio de provas, é experimentar, é vivenciar, é testar. Então se vivermos como filhos da luz no meio das trevas no mundo iremos poder provar de tudo o que é agradável ao Senhor!
Aí brinquei com a minha turminha hoje de manhã:
_ Se tem alguém que sabe o que é agradável de verdade, esse alguém é Deus!!! Ninguém melhor do que Ele!
E você como filho da luz tem o prazer de experimentar e comprovar que servir a Deus é a coisa mais agradável dessa vida!
Só depende de você!!!
Sim, depende de você querer provar essas maravilhas! Ou você se contenta em provar uma pitadinha dessa maravilha no domingo de manhã/noite quando vai na igreja?! Você pode experimentar bem mais do que isso e todos os dias da sua vida... basta você ler a Bíblia e desenvolver um relacionamento bem próximo com Deus!

sábado, 5 de novembro de 2016

Conselho às mães de hoje


Há mais ou menos um mês eu coloquei na parede bem em cima da minha pia de lavar louças um papelzinho com este versículo:

"Sede vigilantes,
permanecei firmes na fé,
portai-vos varonilmente,
fortalecei-vos.
Todos os vossos atos
sejam feitos com amor."
I Coríntios 16:13-14

E desde então eu sempre olho esse versículo e parece que de acordo com o dia ele serve pra uma coisa ou outra! É fantástico como Deus fala conosco!
Então eu tenho a tarefa de falar pra um grupo de mulheres/mães e fiquei pensando, "o que eu falo pra elas?!"... e enquanto pensava nisso eu estava lavando a louça e olhando pro versículo na parede, e Deus foi me mostrando tantas coisas nesses versículos!

1. As mães devem ser vigilantes... É nossa tarefa cuidar e vigiar 24hs o que os filhos estão fazendo. Isso é mais intenso quando os filhos são menores, com o passar do tempo eles vão crescendo, vão se tornando independentes, mas a nossa vigilância não pode diminuir, pelo contrário, deve é aumentar!
Mas essa vigilância não deve ser confundida com intromissão e bisbilhotice... não é isso!!! A vigilância deve ser em observar, escutar e ver os nossos filhos em diversas situações da vida deles e perceber quando eles precisam de alguma ajuda, alguma interferência e especialmente quando precisam de orações!
Não podemos nos descuidar, os nossos filhos carecem da nossa vigilância... eles carecem das nossas orações!

2. Nós como mães devemos "permanecer firmes na fé"... A nossa convicção de fé e a nossa firmeza em permanecer nos caminhos do Senhor são duas coisas essenciais se queremos ser exemplo para os nossos filhos! Aliás, somos exemplos o tempo todo, o nosso cuidado deve ser em sermos um bom exemplo!

3. Nós como mães devemos nos "portar varonilmente"... Fui pesquisar o que significa "varonilmente" e obtive esse resultado, " Heroicamente; corajosamente; Rígido; forte.", e de fato, hoje é necessário que as mães sejam heroínas, sejam corajosas, e que sejam rígidas e fortes não nos relacionamentos, mas sim frente às dificuldades que a vida nos impõe! Se a gente não tiver uma atitude corajosa, como vamos ensinar aos nossos filhos como encarar a vida de frente?! E a única forma de sermos mães corajosas é de joelhos dobrados, suplicando a Deus as forças necessárias para enfrentar dia a dia as dificuldades!

4. Nós como mãe precisamos nos "fortalecer" umas às outras... Ser mãe é uma tarefa por demais grandiosa para pensarmos que daremos conta de tudo sozinhas e sem o apoio ou ajuda de outros, simplesmente não dá! Ainda mais quando somos mães cristãs, necessitamos desse fortalecimento por parte da família da fé... os dias são difíceis e precisamos constantemente buscar em Deus forças e direcionamento, e devemos também fortalecer as outras mães e orar por elas! Juntas somos mais fortes!

5. Por fim, "todos os vossos atos sejam feitos com amor"... A frase é bonita mas difícil de ser colocada em prática! O dia a dia, a correria, a irritação vão tomando conta de nós e vamos nos distanciando cada vez mais de tudo isso que vimos acima... e a nossa fé não deve ser tão somente uma teoria, precisa ser prática, precisa estar presente nos pequenos atos do nosso viver. Precisamos viver tão perto de Deus que todos os nossos atos destilem o amor Dele!
Não basta simplesmente participar de uma reunião de oração, derramar o nosso coração na presença de Deus, rogar a Ele pelos nossos filhos, se quando chegamos em casa não tivermos uma atitude amorosa e coerente, se não mostrarmos Deus ao nosso cônjuge e filhos.
A oração deve ser o momento em que entramos na presença de Deus não somente para pedir, mas para sermos transformadas e para sermos agentes transformadores nos nossos lares!

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

E Jacó teve que ficar manco!


Vira e mexe a gente se lembra daquele trechinho de uma música que diz, "Jacó segurou o anjo, segurou o anjo..."! A gente ri e se diverte com esse trecho da música!
Então esses dias eu passei pelo texto em Gênesis que conta a história de quando Jacó lutou com aquele anjo.
Já li inúmeras vezes esse texto, mas parece que cada vez que o leio novamente eu vejo algo que nunca antes havia visto! A Bíblia é fantástica nesse aspecto, ela é de fato viva, ela fala conosco, ou seja, Deus fala conosco através da Bíblia!
Então, pela primeira vez eu vi algo que nunca havia atentado antes!
Jacó, num momento difícil da sua vida, numa situação complicada, se vê forçado a ter que defender não somente a sua vida mas também de toda a sua família, suas mulheres e seus muitos filhos, fora todos os seus servos, todos os seus rebanhos e toda a sua riqueza construída com muito esforço ao longo de mais de catorze anos... tudo agora estava em jogo uma vez que ele estava voltando para a sua terra natal e estava prestes a se reencontrar com o seu irmão Esaú, irmão este que nutria por ele um tremendo ódio, uma vez que ele lhe "roubou" a benção da primogenitura.
Jacó então arma uma estratégia, um plano, na verdade era a única saída que ele tinha naquele momento, ele pega as suas mulheres, suas duas servas e os seus onze filhos e de noite faz eles atravessarem o vau de Jaboque, que é um trecho de rio com profundidade suficientemente rasa para se atravessar a pé ou no lombo de um animal, enquanto que ele fica só do outro lado do rio.
Se alguém ou algum grupo chegasse para atacá-los daria de cara com Jacó, mas ele estava só! Isso parece um tanto quanto incoerente, mas Jacó preferiu provavelmente que os seus homens de guerra estivessem cuidando e defendendo a sua família... e ele ficou só do outro lado do rio!
Pois bem, dito e feito, apareceu um homem pra lutar com Jacó! E eles lutaram a noite inteira!!!
Jacó provavelmente estava lutando com todas as suas forças com o intuito de impedi-lo de atravessar o vau de Jaboque, e ele lutou tão bravamente que aquele homem viu que "não podia com ele" e então ele tocou na articulação da coxa de Jacó e lhe deslocou a junta da coxa... e eu me pus pensando, "isso é jogo sujo! Ele venceu porque ele desmontou Jacó... coitado!"
Mas então eu me surpreendi com outro detalhe, Jacó mesmo ferido continuou lutando com o homem, ao ponto daquele homem dizer, "Deixa-me ir, pois já rompeu o dia."
E o mais surpreendente foi a resposta de Jacó, "Não te deixarei ir se me não abençoares."! E eu me pus a pensar e me perguntar, em que momento Jacó reconheceu que aquele homem não era um simples guerreiro mas sim alguém enviado da parte de Deus?! Porque razão ele pediria a benção daquele homem?!
Eu não sei se é conjectura demais da minha cabeça, mas eu penso que foi exatamente na hora em que a sua coxa foi deslocada! E você pode me perguntar, mas como assim?!!!
Pois é, Jacó estava lutando com aquele homem com todas as suas forças, lutava bravamente, mas lutava convicto de que havia tomado a decisão certa de fazer todos os seus atravessarem o vau de Jaboque, lutava convicto de que mesmo sozinho ele era forte e corajoso o suficiente para defender os seus, lutava convicto de que se necessário fosse ele daria a sua vida pelos seus, mas que antes de alcançar e atacar a sua família teria que primeiro passar por cima dele!
Até aquele momento Jacó estava convicto de que ele era capaz de defender os seus, e o homem mesmo que lutava com ele reconheceu que ele era forte e que não "podia com ele", mas então ele toca na coxa de Jacó e lhe desloca a junta, cuja função é tanto a locomoção quanto a sustentação do corpo humano. Creio que nesse momento Jacó reconheceu que não estava lutando com um homem qualquer, naquele momento ele reconheceu que não tinha o controle da situação como ele pensava, que ele não era forte o suficiente para se manter de pé e se defender, que dirá defender os seus!
Me admira profundamente o fato de que Jacó continuou lutando, mesmo ferido, mesmo depois de ter provavelmente caído no chão de tanta dor... ele não se entregou! Tanto que ele não deixa o homem ir se primeiro ele não receber a benção deste... ele agora reconhecia que precisava da benção de Deus, que ele agora estava manco, tinha dificuldades pra se locomover e não poderia mais defender os seus como ele pensava que era capaz, agora mais do que nunca ele precisava de Deus, precisava que Deus lhe garantisse que estava com ele, que iria lhe abençoar, que iria protegê-lo!
E ele recebeu a sua benção sim, até o seu nome é trocado, de Jacó ele passa a ser chamado de Israel, pois como príncipe ele lutou com Deus!
E eu volto a sorrir com aquele trechinho da música que os cantores gospel tanto gostam de cantar, que Jacó segurou o anjo e não o deixou ir enquanto não recebesse a sua benção... eles só se esquecem de que pra receber a benção Jacó teve que ficar manco!
Na verdade, é impossível receber a benção de Deus sem primeiro reconhecer que é preciso Deus tocar na nossa "coxa" e tirar aquilo que nós achamos que nos sustenta e nos mantém de pé. Não é na nossa própria força que alcançamos a benção", não é por lutar bravamente com Deus, por exigir de Deus aquilo que achamos que é nosso por direito... não, nada disso!!!
Jacó não conseguiu a benção porque ele foi muito valente, porque ele lutou bravamente... ele conseguiu a benção porque ele implorou a Deus que o salvasse, porque ele reconheceu a sua real condição, reconheceu que nele não restavam mais forças e que sem a benção de Deus ele estava derrotado!

sábado, 16 de julho de 2016

Legado dos nossos pais e avós!

(Foto do vô Sotelo)

Dia desses atrás eu estava na casa da tia Leonor e nem sei como a conversa começou, mas ela contou que quando ela era pequena o pai dela, meu vô Sotelo, todo dia de manhã fazia o culto doméstico, ele lia a Bíblia e orava... mas tinha um detalhe, ele lia a Bíblia em voz alta e todos tinham que ficar de pé e escutar ele ler o capítulo inteiro, e depois ele orava uma oração bem comprida, e todas as filhas tinham que ficar quietinhas e esperar ele terminar pra então poder sair. Minha tia disse que achava difícil suportar essa espera, ela ficava bem pertinho da porta pra escapar o mais rápido que pudesse, depois que terminasse a leitura e a oração!
A gente riu um bocado da situação... mas então ela comentou que mesmo que ela não gostasse muito quando era criança, ela reconhece que os seus pais lhe ensinaram o temor do Senhor e que foi isso o que a protegeu durante toda a sua vida!
Quando jovem ela saiu de casa e foi trabalhar numa outra cidade, longe dos seus pais, mas ela nunca se desviou dos caminhos do Senhor, e não porque tinha alguém inspecionando, mas simplesmente porque ela havia aprendido a temer a Deus!
Então poucos dias depois eu passei por esse texto na Bíblia:

"O galardão da humildade
e o temor do Senhor
são riquezas, e honra, e vida.
Espinhos e laços 
há no caminho do perverso;
o que guarda a sua alma
retira-se pra longe deles.
Ensina a criança no caminho
em que deve andar,
e, ainda quando for velho,
não se desviará dele."
Provérbios 22: 4-6

Esse texto ensina várias verdades para pais e mães!
Se queremos que nossos filhos tenham uma vida de sucesso, com riquezas e honras, precisamos ensinar sobre:
- "o galardão da humildade", a humildade traz consigo grandes recompensas, quem é humilde vai longe, conquista grandes coisas e ainda recebe ajuda na caminhada;
- "o temor do Senhor", que temer a Deus nos livra de grandes enrascadas, nos protege do mal e nos garante a proteção do Senhor sobre as nossas vidas. Deus tem compromisso com os que são seus, com os que O servem e o amam!
Os perversos, os que não servem a Deus, tem nos seus caminhos "espinhos e laços", e se alguém quer preservar a sua alma é melhor não caminhar junto com estes. Isso não quer dizer que devemos nos isolar, não é isso o que o texto diz, mas diz que não devemos nos comprometer com os perversos, se for pra se comprometer de forma íntima e pessoal é melhor "se retirar pra longe deles"! Podemos conviver, mas não nos comprometer!
E isso deve ser ensinado na infância, não podemos esperar que os nossos filhos cresçam mais pra começar a ensiná-los! Não!!! É na infância que se aprende os conceitos básicos, depois que os filhos crescem e aprendem esses conceitos com a vida fica bem mais difícil corrigir, aí teremos que nos esforçar pra convencê-los em trocar um conceito errado pelo certo.
A Bíblia tem mesmo razão em dizer que uma coisa que se aprende na infância não será esquecido mesmo quando a pessoa já for velha... tanto as coisas boas quanto as ruins! Se for algo bom, como o que os versículos anteriores ensinam, essa pessoa desfrutará por toda a sua vida os resultados, que são riquezas, honra e vida!
Todas as minhas tias e a minha mãe, filhas do vô Sotelo, são a prova viva de que isso é verdade!!!

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Minha admiração por Maria!



Enquanto de um lado os católicos veneram Maria... do outro lado, os protestantes parecem "hostilizar" Maria!
Eu mesma, sempre tive um certo "pé atrás" com a Maria... e porque razão?! Nunca tive uma resposta muito convincente pra isso! Todo mundo tem um certo receio de falar de Maria, como se o simples fato de falar dela já seja um pecado... tipo, melhor deixar ela quietinha lá na narrativa bíblica do nascimento de Jesus... tipo, ela nem é assim tão importante mesmo!
Que pena!
Creio que é um grande erro... há muito o que aprender com Maria!
Na história do nascimento de Jesus e todos os acontecimentos que se seguem vemos que Maria "guardava todas essas palavras, meditando-as no coração", Maria vivia essa história também como espectadora do que Deus estava realizando... ela sabia que tudo isso era bastante incomum, era uma história que estava sendo escrita por Deus, aquele bebê não era seu filho biológico, era o Filho de Deus... ela era simplesmente uma moça escolhida por Deus para dar à luz ao Salvador do mundo!
Se por um lado era relativamente fácil cuidar de uma criança perfeita, que nunca pecou, por outro lado devia ser muito difícil para Maria compreender a grandeza de criar aquela criança que viria a ser o Salvador do mundo!
Quando Jesus iniciou o seu ministério, o primeiro milagre que Ele realizou foi a transformação de água em vinho nas bodas em Caná da Galiléia, e curiosamente Maria estava junto. Maria percebe que havia se acabado o vinho e fala pra Jesus, e Ele lhe dá uma resposta intrigante:
_ "Mulher, que tenho eu contigo?"
Parece grosseria da parte de Jesus... mas não foi! Aquele foi o momento em que ele rompeu os laços familiares e iniciou o seu ministério. Maria foi falar com Jesus tendo em mente que ele era seu filho, sabendo que Ele tinha poderes e que por isso podia fazer algo... mas Jesus não poderia ligar o seu ministério à figura de Maria, era preciso que Ele agora respondesse unicamente ao seu Pai, a Deus.
É então que Maria reconhece o seu papel, reconhece o seu lugar... reconhece que a partir de então ele não tinha mais que lhe obedecer por ela ser sua mãe, que ela agora era também alguém que precisava Dele como seu salvador!
É lindo ver que Maria não ficou brava, não reivindicou a sua posição de mãe, não exigiu respeito... não, ela simplesmente reconhece que a sua missão estava completa, que Jesus agora estava iniciando o seu ministério!
Tanto que ela foi e falou aos serventes da festa, "Fazei tudo o que ele vos disser"... ela demonstra com isso a fé que ela tinha em Jesus! Ela cria que Jesus era poderoso para fazer qualquer coisa, mas ela reconhecia que Ele não estava mais subordinado à sua autoridade como mãe, agora era ela quem precisava Dele, era ela quem devia obediência a Ele... e ela sabia disso e estava tão tranquila quanto a isso que inclusive adverte que os serventes tivesse a mesma atitude!
Sua missão estava completa, Ela havia feito com a ajuda do próprio Deus a missão que Ele havia designado a ela, sua responsabilidade de cuidar e zelar do Filho de Deus até o momento em que Ele iniciasse o seu ministério. E ela cumpriu muito bem a sua missão, teve o maior privilégio que uma moça judia podia almejar, mas nada disso a fez encher o coração e "subir à cabeça", ela será sempre lembrada como aquela que "guardava todas essas palavras, meditando-as no coração"!
Maria é um dos maiores exemplos de humildade que eu conheço na Bíblia! Ela não era perfeita, disso temos certeza porque ela era um ser humano como qualquer um de nós, mas ela era diferenciada de todas as outras mulheres e foi por isso que ela foi escolhida por Deus para essa missão! Uma missão que lhe custou uma grande abnegação, ela o criou mas não teve nenhum mérito nas ações de Jesus.
Assim como João Batista, Maria também fez parte da história de Jesus, e como João Batista disse "É necessário que ele cresça e eu diminua"!
Maria não só soube cumprir a sua missão com excelência, mas soube cumprir a ordem de Deus com humildade e deixar que Jesus fosse "o sol nascente das alturas, para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz"... ela de mansinho foi saindo de cena, mas em momento algum ressentida por não ter sido reconhecida, pra ela foi uma honra e um privilégio servir ao seu Deus!